quinta-feira, 24 de abril de 2008

A ERGONOMIA DO VESTUÁRIO

A ergonomia abrange o estudo dos movimentos e a adequação do homem ao posto de trabalho, objetivando o estudo do corpo humano, seus movimentos e a interação com o meio.
Sendo o corpo humano vulnerável, suscetível à ação do meio ambiente, o homem criou uma segunda pele, um meio de proteção às intempéries; o vestuário, que serve como uma proteção contra as condições climáticas desfavoráveis em atividades específicas. O vestuário tem ainda uma observada importância na esfera social se o percebermos como uma ferramenta de identificação ou até mesmo de inserção a uma classe ou nível social.
Ao analisarmos as condições de uso do vestuário, percebe-se que o corpo sustenta a roupa, ou o material têxtil em sua forma, e para cumprir efetivamente o seu papel, as peças devem adequar-se à morfologia, ao movimento do corpo e suas necessidades. Nesse cenário, o estudo do corpo humano através da antropometria e suas aplicações são indispensáveis quando se projeta uma peça de roupa, uma vez que, o corpo é variável em seus movimentos e tal movimento interfere em todo o conjunto.
O tecido também deve ser objeto de estudo, pois este material estará em contato direto com a pele e deve propiciar conforto térmico e tátil, ou seja, não deve conter alterações em sua composição ou nas suas emendas ou costuras que possam ocasionar irritações na pele, e devem proteger ou auxiliar quanto á temperatura ambiente. O tecido é responsável pelo espaço em volta do corpo; moldando-se a ele ou projetando-se além da silhueta, ocupando o espaço, aumentando assim a área de atuação deste corpo. É salutar uma prévia análise sobre quais movimentos o corpo irá executar enquanto envolto neste material, onde ele deverá permanecer, e como deverá se comportar.
Quanto ao fechamento do vestuário em geral, existem elementos importantes a serem considerados, denominados aviamentos, estudando previamente onde poderão ser inclusos botões, linhas, zíper, velcro, etc; que devem ser de fácil manipulação e aplicados em locais que não causem incômodo ao serem utilizados. Ao projetar a peça, deve-se pensar ergonomicamente em qual será a utilização, nos movimentos a serem executados no momento de vestir e fechar a peça.
O terceiro item a ser considerado é o meio onde está inserido o usuário. Dentro deste contexto é que podemos projetar uma roupa adequada. Se o ambiente é inóspito, quente ou frio, se é profissional e exige cuidados especiais, ou se é uma ocasião social especial. Em qualquer destes momentos, a roupa deve auxiliar o corpo a se adequar à situação, facilitando movimentos, ocasionando conforto e comodidade a quem a vestir.
Julyana Biavatti

Um comentário:

Ana Beatriz Figo disse...

Nossa, adorei a matéria sobre ergonomia e vestuário, trabalho com moda e ergonomia é algo ao qual procuro focar,mas percebo também que é de difícil acesso informações a respeito da "miscigenação" entre ergonomia e vestuário.

Obrigada.
:D